Como Comprar Coisas Caras Sem Culpa

Um dos fundamentos básicos para manter a saúde financeira é manter um orçamento equilibrado, pagando suas contas e suprindo suas necessidades, e todos os outros centavos que sobrarem, devem ser guardados em economias ou investimentos. 

Entretanto, esse fundamento básico não leva em conta que existe uma vida que também pode e deve ser aproveitada no presente. Pois, na verdade, não existe nenhum problema em investir dinheiro em um jantar luxuoso com os amigos ou a família, ou em uma bolsa cara ou um novo par de sapatos de grife. 

A verdade é que todo seu dinheiro vem da sua força de trabalho e você deve se sentir incrível em poder gastar dinheiro em coisas que ama. Esse exercício é bem mais fácil na teoria, muita gente enfrenta dificuldades em pôr em prática, em realmente gastar o seu próprio dinheiro com coisas caras.

É mais comum do que se pode imaginar, uma pessoa se sentir mal ao comprar coisas caras – especialmente quando esse algo caro é para si. Entretanto, felizmente, existem formas que podem te ajudar a superar esse problema e gastar dinheiro consigo mesmo sem culpa.

Por que as pessoas se sentem culpadas em comprar coisas luxuosas?

A explicação para toda essa culpa e autojulgamento vem das experiências de infância com dinheiro. Experiências negativas e certos comportamentos e afirmações escutadas durante sua infância são a base para como você lida com dinheiro atualmente e explicam todas as suas questões financeiras.

Essa falta de habilidade em investir dinheiro em si mesmo e toda a percepção de não merecimento é o que você aprendeu quando era jovem e vem reafirmando até hoje.

Vamos imaginar que você tenha vindo de uma família que tinha dificuldades financeiras, onde você via constantemente seus pais preocupados e lutando para fazer o dinheiro esticar, para passar o mês. Uma família onde não houve dinheiro suficiente no orçamento para compras de alimentos todos os meses, ou muitas mudanças de casa, por conta da dificuldade em pagar o aluguel.

Todos esses estresses vividos por seus pais sobre questões financeiras teria um impacto gigantesco em como você lida com o dinheiro e no seu próprio senso de merecimento. E por isso, para você, possa parecer errado comprar coisas que não são “necessárias”, e gastar com essas coisas te deixa muito inseguro e te faz se sentir culpado.

Ou talvez você tenha vivido momentos onde seu orçamento era de fato limitado ou seu cartão tenha sido recusado em algum momento que te causou grande frustração ou vergonha. E o medo de ficar sem dinheiro tenha o levado a ficar de olho em cada centavo que sai da sua conta, e você pode tentar economizar cada centavo.

Todas as suas experiências financeiras podem contribuir para tornar difícil gastar dinheiro consigo mesmo, especialmente em coisas caras, de luxo, que remetam a alto padrão.

Nesse momento você pode até pensar que prefere gastar seu dinheiro em coisas mais “úteis” do que em qualquer outro tipo de extravagância. Mas o que é útil? O que é importante? Por que investir em coisas caras te remetem a “não ter importância”?

Por exemplo, você pode achar que ao invés de gastar o dinheiro com o que deseja comprar, poderia estar investindo em suas economias. Ou você pode pensar que é mais inteligente pagar um mês de aluguel ou uma parcela a mais do imóvel ou carro.

A sensação de que você está usando seu dinheiro da maneira “errada” também pode causar culpa. Mas usar seu dinheiro para coisas que o fazem feliz não é errado. É apenas algo que você não tem familiaridade, juntamente por conta do que você viveu com dinheiro até então.

Nossas experiências passadas com dinheiro têm um grande impacto em nossos hábitos de consumo hoje e podem atrapalhar as compras que queremos fazer, não importa qual seja o retorno. 

Não precisa ser assim. Existem maneiras de se sentir bem em gastar consigo mesmo, sem sentimentos de culpa. E você ainda pode fazer boas escolhas para o seu dinheiro, usando-o com responsabilidade.

Afinal, há uma diferença bastante significativa entre gastar seu dinheiro em coisas que você ama – mesmo que custem mais do que você normalmente gastaria – e simplesmente comprar o que quiser e lidar com as consequências após o fato. 

O primeiro passo desse processo é aprender a decidir se deve comprar ou não algo caro. 

Essa decisão ajuda a reduzir imediatamente todo o sentimento de culpa e torna muito mais fácil investir seu dinheiro em coisas que você ama e deseja ter ou fazer.

Como decidir se devo ou não comprar algo caro

Existem algumas maneiras que facilitam sua decisão na hora de optar ou não por gastar em algo de grife ou alto padrão. E tudo começa em ter consciência dos próprios gastos. Para isso, você deve se certificar de:

Caro é o que você não usa

Se você quiser comprar algo novo, pode ser inteligente pensar em quanto isso vai ser útil. Após pensar no quanto isso será útil, em quantas vezes você poderá usar, você se sentirá menos culpado por se entregar a algo novo. 

Digamos que você queira se matricular em uma academia cara, totalmente equipada, que acabou de abrir. Lá você conta com todas as aulas que você deseja, incluindo aquela aula de spin que sua academia atual não oferece, mas há apenas um problema: sua antiga associação à academia foi adquirida em um plano mensal que não irá expirar por mais dois meses.

Você já tem uma academia perfeitamente útil, então por que você precisa dar um mergulho duplo nos próximos dois meses? Se você quiser evitar a culpa da grande compra, deve usar o que tem até acabar. 

Quando chegar a hora de renovar, vá em frente! Sinta-se à vontade para fazer alarde com essa nova academia mais cara.

Não há nada de errado em malhar — na verdade, você deveria; pois ajuda com os níveis de estresse e a mantê-lo saudável – mas você não pode estar nas duas academias ao mesmo tempo, então não precisa de duas associações e você não estará utilizando as duas academias, o que vai tornar mais caro. Já que caro é aquilo pelo o que você paga e não usa.

Se você usar o que tem antes de gastar, vai se sentir muito melhor com a escolha que fez pelo seu dinheiro.

Fazer mais dinheiro

Uma boa opção, também, é encontrar maneiras de ganhar mais dinheiro – e isso não significa esperar seu próximo grande aumento ou promoção ou descobrir como economizar para algo caro. Se você aceitar um trabalho paralelo, um emprego de meio período ou encontrar outra maneira de ganhar uma renda adicional, será muito mais fácil justificar os gastos que você faz. 

Vamos pensar que você esteja hesitante em comprar o novo par de tênis Jordans em que estava de olho, está ganhando o suficiente para cobrir todas as necessidades, mas Jordans não são uma necessidade agora. Você quer, mas não precisa, afinal, você tem outros tênis e sapatos.

Se você tem uma habilidade que pode usar como freelancer ou por contrato, pode assumir alguns projetos de curto prazo para financiar sua compra cara. Ou você pode limpar algumas das coisas que você possui que não usa e vendê-las para cobrir os custos de seus novos tênis. 

Ao trabalhar para ganhar mais dinheiro para financiar suas compras extras, você não corre o risco de danificar seu orçamento ou suas economias, e está fazendo o que o deixa feliz. Não há nada de errado com isso.

Dedique mais

A dedicação pode valer a pena de várias maneiras, mas uma das melhores maneiras de valer a pena é quando ela auxilia na remoção ou, pelo menos, diminuição do sentimento de culpa ao comprar algo caro.

Exemplo: Você quer de verdade, gastar algumas centenas de reais em alguns novos tênis de corrida, mas se sente mal ao pensar em gastar isso em tênis, até por que tem outros pares. Mas, fica mais fácil justificar os custos desses tênis de corrida super high-tech se você dedicar mais tempo à corrida (lembre-se: caro é o que você não usa).

Ou, digamos que você queira finalmente dar aquele up em seus jantares e comprar um aparelho de jantar caro que você estava de olho. Você pode justificar a compra fazendo uma promessa a si mesmo de dedicar mais tempo a cozinhar em casa, fazer refeições em família, em vez de comer fora. 

Essas pequenas mudanças em seus hábitos podem tornar muito mais fácil entender e aceitar a ideia de investir em si mesmo e em seus desejos. A compra se torna proposital e, se você cumprir a dedicação que prometeu em troca da compra, também receberá recompensas de outras maneiras. 

Você vai se tornar um cozinheiro melhor, ou talvez economize dinheiro por gastar menos com comida, ou crie e aumente os laços familiares, ou se encontrará em melhor forma com o novo cronograma de execução. E todos esses aspectos positivos tornarão menos estressante a próxima vez também.

Considere o valor pessoal

Se você deseja eliminar a culpa da equação, também deve considerar o valor pessoal de sua compra. Não estamos falando sobre o valor de revenda do item, no entanto. Isso pode ser útil, mas o que é ainda mais útil é pesar o que a compra significa para você.

homem comprando produtos caros internet
Homem fazendo compra online

Pense no que essa compra significa para sua vida cotidiana. Preenche uma necessidade? Resolve um problema? Você pode crescer com isso? Isso ajuda na sua produtividade? Quais são os benefícios pessoais percebidos por você?

Considere em que a compra o ajudará e decida se esse valor continuará além da excitação inicial da compra. Isso pode ajudá-lo a decidir se é ou não uma compra que vale a pena fazer.

Por exemplo, uma viagem dos sonhos ao exterior. Você pode não precisar dessa viagem para nada. Não ajudará na sua produtividade, não agregará valor ao seu trabalho ou casa, nem preencherá qualquer outra necessidade do dia-a-dia. Mas isso não significa que não há valor para a compra. 

Você ainda pode encontrar valor na viagem. Talvez isso permita que você mergulhe em uma língua estrangeira, aquela que você vem tentando, mas não consegue entender nos últimos dois anos. Ser bilíngue ou trilíngue (ou mais) pode ser uma habilidade extremamente útil – que pode valer a pena de várias maneiras. 

Ou, talvez, permita que você aprenda sobre sua herança, ou conheça parentes distantes pela primeira vez, ou traga alguma outra conexão à sua vida. Esse é todo o valor que não pode ser quantificado – mas é valioso para você, portanto, há uma justificativa para sua compra.

O mesmo vale para qualquer outra coisa que melhore sua vida de maneira útil e significativa. Isso pode ser um produto de informação caro ou uma aula que ensina uma nova habilidade, ou um novo treinamento, ou um novo diploma. 

Decida com antecedência para quais métricas a compra vai mover a agulha. Se você puder encontrar uma recompensa concreta para si mesmo por meio de uma nova oportunidade ou de uma nova habilidade, terá uma razão concreta para pagar por algo, mesmo que o preço seja extremamente alto. 

Determinar se agrega valor de outras maneiras

O valor pessoal é útil, mas não é o único fator em jogo. Se você está fazendo uma grande compra, mas está tendo problemas para justificar o preço, considere se o valor existe de outras maneiras.

Por exemplo: Você está em dúvida se deve ou não, gastar o dinheiro em uma linda bolsa. Você está apaixonada pela bolsa, mas não ama o preço – e há uma mais barata em outro lugar que provavelmente funcionaria também.

Não salte imediatamente para o saco do orçamento porque não é tão caro. Pense no valor de cada uma das bolsas. A bolsa mais cara oferece recursos mais úteis? Vai facilitar o deslocamento a trabalho? Será que vai durar mais? A garantia oferece cobertura vitalícia? Existe possibilidade de revenda? Qual a durabilidade? Qual a sua intenção em ter essa bolsa?

Ou pense se a compra lhe poupará dinheiro a longo prazo. Digamos que você tenha um SUV mais antigo, mas perfeitamente bom, com um enorme motor V8. Você quer atualizar seu veículo, mas está tendo dificuldades com a ideia. Parece desnecessário e irresponsável comprar um carro novo quando o antigo funciona bem.

Mas, você não considerou que você se desloca para o trabalho, o que é caro quando os preços do combustível estão altos. E a manutenção regular do motor também está ficando mais cara a cada ano.

Nesse caso, o valor que você ganhará com um carro novo com garantia sólida e um motor flex-fuel supera o valor de manter seu carro antigo. Na verdade, é uma compra inteligente, apesar do grande preço. Seus custos de combustível serão menores e os reparos não lhe custarão um centavo, pelo menos nos próximos anos. 

Esse tipo de valor é tão válido quanto o valor pessoal quando se trata de compras caras, portanto, não o negligencie. Avalie se esses tipos de fatores justificam sua compra e você eliminará a culpa em pouco tempo.

Como fazer compras caras menos estressantes

É verdade que cada um de nós se sente culpado em algum momento ou outro por gastar dinheiro conosco mesmos, mas não deveríamos. Se a decisão é consciente, não há problema em gastar dinheiro com as coisas que você ama e com as coisas que você quer.

É importante que você sempre use o que você já tem antes de comprar, encontre maneiras de financiar (ganhando mais dinheiro e não usando financiamento de bancos) suas grandes compras e dedique mais tempo para usar o produto ou serviço que você compra, para fazer o dinheiro valer a pena. Isso por si só já ajudará você a se livrar da ansiedade e da culpa que vem ao gastar muito dinheiro em uma compra para si mesmo.

Além disso, você também pode e deve se certificar de que o que você comprou, realmente tem valor. E que esse valor pode vir de muitas formas diferentes, atendendo a uma necessidade pessoal ou apenas valendo mais a longo prazo. 

Se dedique as dicas listadas neste post e invista em si mesmo, sem que as emoções negativas o atrapalhem.

Qual das dicas fez mais sentido para você? Tem alguma outra que não coloquei aqui? Comenta ai!

Gostou desse artigo?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

1 comentário em “Como Comprar Coisas Caras Sem Culpa”

  1. O valor pessoal é o principal fator que me ajuda a comprar alguma coisa com preço maior sem me sentir culpada. Comprar aquilo que eu sempre quis significa muito pra mim e me dá uma sensação de satisfação pessoal.

    Responder

Deixe seu Comentário